Sobre Segunda Sem Carne, Dieta Paleo/Protéica e Uma Receita de Salada Quente Vegana

Já há muito tempo que ensaio escrever este post.

Provavelmente haverá pessoas que não vão gostar de ler o que vou escrever hoje. Sem querer-querendo, farei algumas críticas um tanto severas. Já peço desculpas de antemão a quem quer que se sinta ofendido com qualquer coisa aqui escrita, pois o meu objetivo não é o de apontar o dedo a ninguém mas sim de levantar questões para reflexão.

Resolvi escrever este post pois foi graças a textos como este em outros blogs que passei a ter mais consciência da realidade em que atualmente vivemos. Por esta razão, este é o post mais importante que já escrevi no Hat and Apron. Quem acompanha o blog há mais tempo deve ter percebido que as receitas por aqui tem sido, em sua maior parte, vegetarianas ou veganas. Para não restar dúvidas, eu não virei vegetariana, nem vegana. Mas passei a fazer algumas escolhas que se refletem no meu cardápio e, consequentemente, no meu estilo de vida.

Acontece que as receitas do H&A são, basicamente, as comidas que faço para mim e para o meu marido – comidas do nosso dia-a-dia. Não faço comida para tirar fotos e depois jogar fora. Tenho profunda paixão e respeito pela culinária e pelos ingredientes e seria incapaz de postar algo que eu mesma não fosse comer. Aqui, a gente faz, a gente come.

Há mais ou menos um ano eu aboli praticamente todo o leite do meu cardápio (com exceção das receitas que reproduzo de livros e pedem o ingrediente) e passei a tomar somente o leite vegetal, principalmente o de amêndoas – que, na minha humilde opinião, é bem mais gostoso. Apesar de todos os contras do leite de vaca para a saúde (que você pode conferir com muitos pormenores e estudos científicos aqui) a minha maior motivação para parar de tomar o leite foi por causa dos maus tratos aos animais. Após assistir ao documentário “Os Órfãos do Leite” (que você pode assistir aqui – mas já aviso que contém cenas muito fortes) passei a ser incapaz de ingerir leite sem lembrar das cenas do filme.

Sim, os queijos ainda fazem parte do meu cardápio, apesar de ter reduzido consideravelmente seu consumo e procurar produtos orgânicos/biológicos. Muitos podem achar que este é um texto hipócrita, pois passei a não beber mais o leite mas continuo a consumir o queijo. Bem, contra fatos não existem argumentos, mas em minha defesa, meu consumo caiu drasticamente.

Foi então que me deparei com o Meat Free Mondays ou Segunda Sem Carne, um projeto idealizado por ninguém menos que Paul McCartney e sua família, que já tem mais de cinco anos. Através do movimento, que conta com apoio de diversos chefs e artistas ao redor do mundo, descobri que a pecuária é um dos maiores contribuidores para os mais graves problemas ambientais, de acordo com a FAO (Organização de Alimentação e Agricultura das Nações Unidas – link em inglês).

Isto é muito, muito sério. A FAO estima (link em inglês) que 14.5% dos gases de efeito estufa são emitidos pela pecuária, enquanto outras organizações estimam que pode este valor pode chegar a 51%. A pecuária também é responsável pela maior parte da degradação do território mundial, poluição da água e perda de biodiversidade por desmatamento. Segundo a revista National Geographic, apenas 55% das calorias provenientes das colheitas obtidas no mundo alimentam diretamente os seres humanos. 36% da produção da agricultura é direcionada para a pecuária e o restante para biocombustíveis e produtos industriais – você pode conferir a matéria ‘Como alimentar 9 bilhões’ aqui. (fonte vol. 14, num 158, maio/14, pág. 19) Estima-se que seremos 9,6 bilhões de pessoas em 2050.

Fato é que o nosso planeta não tem como suportar tamanha exploração e consumo. É urgente que revejamos nossos hábitos alimentares, a fim de evitar um colapso mundial. É muito urgente que tomemos consciência sobre o consumo excessivo e prioritário de proteínas ou o planeta corre sérios riscos de não suportar a demanda cada vez maior, gerada pela elevação dos padrões de consumo no mundo. Temos que pensar nas futuras gerações ou elas serão privadas de viver em um planeta com recursos naturais disponíveis.

Fora os pontos citados acima, o tratamento dado aos animais para produção de laticínios e carne está longe de ser minimamente adequado e sem sofrimentos.

“Mais de 9.3 milhões de vacas foram usadas para produção de leite nos Estados Unidos em 2008, e mais de 2.5 milhões de vacas leiteiras foram mortas pela carne. Vacas usadas pela indústria do laticínio são intensivamente confinadas, continuamente engravidadas e criadas para alta produção de leite com pouca preocupação com seu bem-estar. Longe de serem “vacas felizes”, a indústria faz delas típicos brinquedos, fazendo-as suportar imenso sofrimento em fazendas industriais.” (tradução livre minha, trecho tirado deste link aqui)

Sobre as “vacas felizes”, segue este link em português

Estamos dando muita ênfase às vacas e à pecuária, mas não podemos nos esquecer que as galinhas são confinadas em espaços minúsculos durante sua curta vida, fadadas a botar ovos sistematicamente, para sustentar nosso alto consumo atual.

Comecei a participar do Segunda Sem Carne despretensiosamente – tal como o projeto é. A ideia era passar somente o que é pedido: um dia na semana sem carne. E isto eu poderia fazer sem qualquer dor ou sofrimento. Surpreendentemente, foi tão indolor e me adaptei tão bem a passar um dia sem carne que pensei: “E por que não dois dias?” E de dois dias, passei a quatro e, atualmente, tenho evitado produtos de origem animal. E a ideia tão distante do mundo vegetariano passou a não ser tão extraterrestre assim. Eu, uma louca por carne (minha comida preferida é churrasco, vejam bem), estava agora restringindo meu consumo a um dia na semana – e melhor, sem sentir falta.

Como disse, não sou vegana nem vegetariana. Atualmente, minha política é a de comer produtos de origem animal somente quando sinto muita vontade (por exemplo, em restaurantes japoneses) ou quando vou fazer uma receita que requer produtos desse tipo. Vale ainda lembrar que meu marido não tem adotado tantos dias sem carne quanto eu e não o obriguei a me acompanhar nessa jornada. Cada um toma as decisões que acha melhor.

Mas agora você deve estar pensando: “nossa, tirando quase toda a carne do prato a conta com ~artigos de luxo~ do supermercado deve ter ficado enorme!”. Eu também pensava assim, mas aconteceu justamente o contrário. A gente acha que não, mas carne é (bem) cara. Até mesmo o frango comprado inteiro, considerado barato, custa 2€ o quilo. Normalmente um frango inteiro custa 2,5€. Poucos produtos vegetais custam esse valor ao quilo (ao menos em Lisboa). Nas minhas contas, a diminuição do gasto em supermercado foi de cerca de 20%, isso comprando produtos normalmente mais caros, como quinoa, grãos e sementes.

A outra pergunta que deve estar pairando no ar é: “Se eu parar de tomar leite e comer carne, como vou ingerir cálcio e proteínas??” A natureza é muito sábia, caros amigues. Existem inúmeras fontes de cálcio e proteínas de origem vegetal que a nossa vã filosofia desconhece. Mas sobre esse assunto, ninguém melhor do que os especialistas e experts para falar: Sobre proteínas e dieta vegetariana aqui, cálcio e dieta vegetariana aqui, 25 fontes de proteínas vegetais aqui, 10 fontes de proteínas que substituem a carne aqui, as melhores fontes de proteínas vegetais para ganhar massa muscular aqui, sobre proteína vegetal aqui, sobre nutricionistas e a resistência ao vegetarianismo aqui e sobre suficiência protéica em veganos aqui.

Agora, vem o ponto que eu, infelizmente, terei de tocar, e inevitavelmente será uma crítica ão tão disseminado “frango com batata doce”. Muitas pessoas tem adotado dietas como a paleo e a dieta da proteína, que priorizam o consumo de proteínas, principalmente de origem animal. O que cada um faz com seu corpo, eu não tenho nada a dizer. A minha concepção é a de que uma dieta, para ser saudável, deve conter todos os alimentos e que o alto consumo de gorduras de origem animal não pode ser saudável, mas né? Cabe a cada um decidir o que vai ou não consumir.

Mas a questão principal desse tipo de dieta vem a ser a exorbitante quantidade de produtos de origem animal consumida. Um exemplo: a maioria das pessoas em dietas desse tipo consome três ovos por dia, fazendo uma média por baixo (já vi relatos de pessoas que comem 10). Três ovos por dia equivale a uma média de 91.25 ovos por mês, MIL E NOVENTA E CINCO OVOS POR ANO. Para indivíduos que fazem musculação e consomem carne, a quantidade ingerida de proteína fica entre 96g e 144 g por dia, o que dá uma média anual entre 36,5 kg e 52,56 kg por pessoa, por ano. Essa quantidade para apenas uma pessoa.

Se todo mundo resolver adotar a dieta da proteína, como vai ser? Como vamos sustentar milhares de pessoas ingerindo essa quantidade exorbitante de ovos, carnes e produtos de origem animal? Até que ponto a busca pelo corpo perfeito vale o sacrifício do meio ambiente? Temos que parar de pensar somente em nós mesmos, no nosso bem-estar e fingir que está tudo bem. É muito fácil fingir que não há todo um planeta que depende diretamente das suas escolhas.

Quer consumir quantidades enormes de produtos de origem animal? Ok. Mas faça sabendo das possíveis consequências. Na atual conjuntura mundial, as pessoas precisam e DEVEM saber os impactos que suas escolhas tem no mundo agora e nas futuras gerações – incluindo nossos filhos. Consumir conscientemente, para, quem sabe, consumir consciente. Nós não podemos consumir como se a produção e os recursos naturais fossem infinitos, pois não são. É inadmissível que, com o acesso à informação que temos hoje, alguém diga “eu não sabia”.

E fica aqui o convite para que ao menos um dia na semana, você que teve paciência para ler todo este texto, passe um dia sem comer carne. O planeta e os animais agradecem.

Neste post aqui você pode ver mais motivos para reduzir o consumo de produtos de origem animal pela metade. Neste post aqui (em inglês) você pode ter informações sobre o documentário Cowspiracy, que mostra como a pecuária está destruindo o planeta.

Sobre Segunda Sem Carne, Dieta Paleo/Protéica e Uma Receita de Salada Quente Vegana

Salada Quente de Cebola Caramelizada, Grão de Bico e Espinafres

Ingredientes (para uma pessoa)

  • 1 col sopa de óleo de coco ou azeite de oliva
  • 1 cebola média fatiada em “meia-lua” ou ½ cebola grande
  • 1 dente de alho fatiado
  • ½ col chá de cúrcuma ou açafrão da terra
  • 1 ½ xic de espinafres picados
  • 1 xic de grão de bico cozido
  • 1 tomate picado
  • ervas picadas (usei salsinha e cebolinha)
  • sal e pimenta preta a gosto
  • 2 col sopa de azeite extra-virgem para finalizar

PRE-PARA

  1. Refogue a cebola e alho em óleo até que estejam bem douradas. Acrescente o grão de bico e refogue mais.
  2. Acrescente os espinafres e tempere a gosto, com sal, cúrcuma e pimenta preta. Assim que murcharem, desligue o fogo e acrescente o tomate.
  3. Coloque no prato e finalize com as ervas picadas e o azeite.
  4. Não faça como eu e vá tirar fotos, coma ainda quentinho. :)

Sobre Segunda Sem Carne, Dieta Paleo/Protéica e Uma Receita de Salada Quente Vegana

Anúncios

Obrigada por seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s